Estrangeiras

PT

A TENDA PRODUÇÕES, ARRANCA A SUA TEMPORADA TEATRAL DE 2017, COM A APRESENTAÇÃO DO ESPETÁCULO “ESTRANGEIRAS”, PROTAGONIZADO POR ÂNGELA PINTO E SYLVIE DIAS COM ENCENAÇÃO E ADPATAÇÃO DE HÉLDER GAMBOA.

 

A partir do texto de Slawomir Mrozek um clássico da dramaturgia mundial, experimentaremos uma nova abordagem,  iremos apresentar uma dramaturgia completamente nova, inspirada neste autor de forma livre e criativa, sendo que os dois protagonistas serão mulheres.

Utilizando a sua paródia subtil,  aproveitando a atualidade em que o mundo é diariamente confrontado com o fenómeno da migração mundial sem que os poderes encontrem uma solução, tentaremos explorar o absurdo de algumas situações limite onde os seus intervenientes continuam a ansiar por um regresso e uma vida de sonho inalcançável.

De 15 a 31 de Março no Centro Cultural da Malaposta, de quarta a domingo.

Ficha Artística, Técnica e de Produção

A partir de: Sławomir Mrożek
Encenação e Dramaturgia: Hélder Gamboa
Interpretação: Ângela Pinto e Sylvie Dias
Cenografia e Figurinos: Rui Filipe Lopes
Desenho de Luz: Paulo Graça
Sonoplastia: Luís Lucena
Design Gráfico: Gonçalo Ferreira
Fotografia: Artepertinace
Estagiários: Lara Cyndi, Patrick Olufson e Sérgio Silva
Divulgação e secretariado: Maria de Lurdes Engrácia
Produção Executiva: Miguel Manaças
Produção: Tenda Produções

EN

THE TENDA PRODUCUÇÕES, STARTED ITS 2017 THEATER SEASON, WITH THE PRESENTATION OF THE “FOREIGN” SHOW, PROTAGONIZED BY ANGEL PINTO AND SYLVIE DAYS WITH ENCOURAGEMENT AND ADAPTATION OF HÉLDER GAMBOA.

 
From the text of Slawomir Mrozek a classic of world drama, we will try a new approach, we will present a completely new dramaturgy, inspired by this author in a free and creative, and the two protagonists will be women.

Using its subtle parody, taking advantage of the current situation in which the world is daily confronted with the phenomenon of world migration without the power to find a solution, we will try to explore the absurdity of some limit situations where its participants continue to yearn for a return and a unattainable dream life.

From 15 to 31 March at the Cultural Center of Malaposta, from Wednesday to Sunday.

Artistic, Technical and Production Sheet

From: Sławomir Mrożek
Staging and Playwriting: Hélder Gamboa
Interpretation: Ângela Pinto and Sylvie Dias
Scenography and Costumes: Rui Filipe Lopes
Light Drawing: Paulo Graça
Sonoplastia: Luís Lucena
Graphic Design: Gonçalo Ferreira
Photography: Artepertinace
Trainees: Lara Cyndi, Patrick Olufson and Sérgio Silva
Disclosure and secretariat: Maria de Lurdes Engrácia
Executive Production: Miguel Manaças
Production: Tenda Produções

Críticas:

Correio da Manhã

Peça das refugiadas chega à Malaposta

Ângela Pinto e Sylvie Dias juntam-se em palco, agora para interpretar texto dramático.

Por: Ana Maria Ribeiro (20-03-2017)

Ao fim de quatro meses de sucesso com o espetáculo ‘Cinderella’, feito a pensar no público mais jovem, as atrizes Ângela Pinto e Sylvie Dias voltam a encontrar-se no palco do Centro Cultural da Malaposta, em Olival Basto, desta feita em registo dramático.

‘Estrangeiras’, do escritor polaco Slawomir Mrozec (1930-2013), mostra duas refugiadas que chegam a um país desconhecido para refazerem as suas vidas e acompanha o carrossel emotivo em que se transforma a relação das duas.

Escrito originalmente para dois atores, o encenador Hélder Gamboa decidiu adaptar o texto para duas mulheres, por ser “mais forte” e “tocar mais profundamente o público”. “Curiosamente”, diz, “o espetáculo também resultou mais divertido e muitas das pessoas que já o viram, riem-se.”

Em palco, um cenário feito de caixotes de fruta e outros desperdícios (cenografia de Rui Filipe Lopes) evoca os ambientes degradantes em que vivem os refugiados e dá o mote para um espetáculo que dá muito que pensar. Ângela Pinto diz que já lhe apetecia fazer uma peça que “falasse às pessoas do mundo em que estamos a viver hoje” e Sylvie Dias admite que se serviu das memórias dos seus pais – emigrantes em França durante 25 anos – para dar credibilidade à personagem. “Todos conhecemos a realidade da emigração – ou na primeira pessoa ou através de amigos e familiares”, conclui.

Feita sem apoios do Estado, a peça é para ver até dia 31 e o bilhete custa 12,50 euros.